terça-feira, 15 de junho de 2010

Por que você ainda não largou o Windows completamente?

Lá no fórum do Ubuntu tem um tópico com esta pergunta.


Dentre críticas e elogios havia o seguinte comentário:


“... No ubuntu o que devia ser melhorado era o OpenOffice, por muito que digam que é muito bom nunca me convenceu, ainda tem que ser muito melhorado para conseguir igualar o Office, não digo que seja impossivél pois acredito muito no OpenSource. Tambem devia haver melhores drivers, e a culpa é dos criadores do hardware! Melhores jogos... quando houver mais utilizadores e melhores drivers isto vai ser possivel.”



Botei lá também minha opinião, mais ou menos assim:


Acho que vale muito a pena insistir no Open Office.


Recentemente, passei a ter contato com um forum, em inglês, sobre o assunto. Ali, muitas das dúvidas podem ser esclarecidas. Veja que o troço é dinâmico. com vários questionamentos e respostas dia: http://www.oooforum.org/


É sempre bom lembrar que o Open Office tem sido conduzido por empresas tão representativas como a Microsoft (Sun, Oracle e outras); fora o que é mais importante - a contribuição da comunidade.

Claro que falta um recurso ou outro na planilha de cálculo ou no editor de texto, mas também são inegáveis as vantagens dos programas em código aberto.


Outro dia, por exemplo, percebi que não tinha a possibilidade de produzir um gráfico de pizza empilhado (um dos pedaços da pizza, destacado e com subdivisões). Só que estas "deficiências" não são nada, se comparado a um mais amplo espectro de vantagens.


Quanto à sobra de opções de compatibilidade, no Open Office, por exemplo, cabe citar o que já dizia este Professor Jarbas, em 2006:

http://imasters.uol.com.br/artigo/4576/livre/novidades_do_openoffice_20broffice_e_um_comparativo_com_o_office_2003/



E também especialmente o que destaca o Professor Morimoto, neste texto, do quinto parágrafo em diante:


http://www.gdhpress.com.br/blog/dicas-openoffice


A opção pela utilização pelo programa de código aberto vai muito além de uma facilidadezinha ou outra que um programa tem e o outro deixa de ter.

Muita gente ignora que os arquivos, especialmente em ambiente profissional, precisam ser rodados, não só nos programas da Micro$oft... E eles precisam ser mantidos, resgatados e alterados, por anos e anos, nas mais diversas circunstâncias.


No ambiente corporativo, já se chegou à conclusão que o Br Office é melhor. E não foi o Zezinho da esquina que "achou" que era melhor. Foram feitos estudos técnicos que levaram a esta melhor opção. Cito casos como o do Metrô e do Corpo de Bombeiros, em São Paulo, da Celpar e da Petrobrás, apenas para citar algo emblemático, em diversas localidades.


E na verdade, há uma opção mundial pelo código aberto - expresso em normas e em leis.

Provavelmente já tenha visto:

http://pt.wikipedia.org/wiki/OpenDocument


A não adoção do código aberto é contraproducente. Onde trabalho, por exemplo, ainda usam o XP. E não trocaram nem mesmo pelo VISTA... (putz! Lembrei agora do jargão daquele político - o Pedro Geraldo Costa!). Mas parece que a troca não foi feita também porque a alteração "exigiria" mudança em outros pacotes e programas o que demandaria muito mais dinheiro e adaptação. Sei lá...
Até quando conviveremos com isto?

Assim, acredito piamente que podemos construir muita coisa com o Br Office - bem mais e melhor do que com a Micro$oft!

A propósito, justo hoje, no dia em que jogo aqui estas ideias, saiu a Revista 12, do Br Office. Feliz coincidência!

Nenhum comentário: