domingo, 11 de maio de 2008

Coisas ruins na TV e em outros meios...

Luis Nassif, hoje, em seu blog, diz ter sido surpreendido por uma boa reportagem sobre o Dia das Mães, veiculada pelo Jornal Nacional.

Mas salientou que ela veio depois de duas outras ruins: requentado caso Isabela e requentado caso "cartões corporativos".

Imagino que falaram dos "cartões federais" sem tratar dos "cartões corporativos paulistas".

Conclusão (óbvia): a GLOBO é uma pessoa (jurídica) que, como outras (físicas também!) não são totalmente ruins.

Um veículo de informação que apresenta reportagens repetidas, que pouco acrescentam, quando não tendenciosas ou manipuladoras, em meio a raras pitadas de bom jornalismo, poesia, coisas aproveitáveis...

SOMOS assim tb, né? Muito de imperfeição e algo em "estado de arte", talvez a maior parte só em "potencial".

É neste pouco que reside nossa esperança. Que, conforme passe o tempo, sejam erradicadas NOSSAS grosserias, NOSSOS erros crassos, NOSSAS barbeiragens e algo melhor tome o espaço.

Tendemos a desanimar ao perceber a falta de inversão ou até a piora do quadro - nossa impotência.

Noto isso no dia-a-dia, na relação entre fornecedores e consumidores, no jeito de as pessoas se comportarem umas com as outras...

Mas há possibilidade de avanço, que depende de NOSSA sensibilidade, de NOSSO empenho para que a parte boa, de período em período, se sobreponha à ruim.

A esperança está, portanto, em nós mesmos, que podemos estar ou não realmente empenhados neste movimento - TENTANDO SER.

Nenhum comentário: