terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Aluguel de casa, imóvel financiado ou...?

Acabo de assistir ao Jornal da Gazeta – aquele apresentado pela Maria Lydia.

Foi ao ar uma matéria, abordando o fato de que jovens com até 30 anos representam 36% dos que estão assumindo financiamento para a compra da casa própria.

Um “especialista” / “estudioso do assunto” - enfim, alguém supostamente menos leigo (Luis Paulo Favero) - foi chamado a dar opinião / orientações sobre o assunto.

Pelo que entendi, julgou ser mais adequado juntar dinheiro para uma entrada considerável, procurar fazer a dívida no menor número de anos possível e alertou para o fato de que pagar aluguel, muitas vezes, pode não ser tão ruim quanto dizem, se comparado a tomar um financiamento de 20 ou 30 anos.

O mesmo Luis Paulo auxiliou na elaboração deste artigo, publicado na net:

http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=342636&opr=76

Também tenho me debruçado sobre o tema.

Elaborei algumas planilhas com cenários:

- compra com pequena entrada;
- compra com entrada de 50%;
- compra com financiamento de pequena parte do valor do imóvel;
- tudo com opções de 10, 15 ou 20 anos, taxas de juros variadas...;

Paralelamente, simulei situações em que, ao invés de comprar um imóvel, a pessoa investisse o valor que daria como entrada – em poupança, por exemplo.

Com o rendimento desta poupança, a pessoa pagaria aluguel – por anos – e, ao mesmo tempo, o valor que pagaria pela prestação seria depositado para aumentar a poupança.

Infelizmente, não tenho domínio da tecnologia para disponibilizar as planilhas aqui, mas posso enviá-las, a quem me pedir.

De qualquer forma, o exercício me induziu a algumas conclusões, dentre elas:

- para quem tem “reserva” muito pequena, em pouco tempo, a poupança acaba e fica só o aluguel;

- no entanto, se consideramos valor disponível para investir ou “dar como entrada” maior, o tempo para o esgotamento da poupança passa a ser de muitos anos;

- especialmente nos casos em que a pessoa se sujeita a pagar aluguel bem menor do que seria o valor da prestação de um imóvel, pode ser sim que consiga formar poupança para comprar o imóvel à vista em menor tempo do que seria o prazo de um financiamento;

Quanto a este último item, quero dizer o seguinte: a pessoa vislumbra comprar um imóvel que custa “x” mil reais. Ela evitaria morar em um imóvel com valor de aluguel igual a 0,8% deste imóvel. Teria de se sujeitar, por exemplo, a morar em um imóvel, bem menor, em bairro menos valorizado, para desembolsar, por exemplo, 0,5% por mês, em aluguel, do que seria o valor daquele imóvel que ela deseja comprar;

Já Mauro Halfeld lembra da máxima “DINHEIRO NA MÃO É VENDAVAL” (E, quem, por experiẽncia própria não sabe disso?). Defende a compra do imóvel financiado, no lugar do pagamento de aluguel:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/1,,EDG81419-9553,00.html

O assunto está na ordem do dia.

A rádio CBN tem constantemente ouvido “especialistas” sobre o assunto. No último domingo, por volta das 23 horas, ouvi um deles alertar para o fato de que, vez ou outra, pagar aluguel pode ser melhor do que financiar

Domingo, 17 de fevereiro de 2008

Apesar da redução dos juros, o financiamento nem sempre é o melhor negócio para comprar a casa própria. Muitas vezes pagar aluguel e juntar dinheiro para comprar à vista é mais vantajoso

Curiosamente, dias antes, foi apresentado pela mesma rádio outro cenário:

Quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Comprar um imóvel usado com financiamento do SFH é boa opção para quem quer sair do aluguel

E, em outra reportagem, ponderação que vai ao encontro da conclusão que obtive com minhas planilhas.

Terça-feira, 8 de janeiro de 2008
Aluguel deve ser menor do que a prestação da casa própria


Verdade que tô meio de saco cheio da CBN, por motivos que não cabe agora comentar.

De qualquer forma, ao tentar ouvir o que foi publicado, tive dificuldade com meu LINUX, o que motivou o envio da seguinte mensagem à rádio:



Utilizo Linux Mandriva.

Ao tentar ouvir a maior parte do que é publicado neste "site", encontro a mensagem de que "FALTA PLUG-IN", porém não é dito qual (JAVA, FLASH PLAYER, etc) e não há também orientação para o usuário LINUX.

Como deve saber toda a equipe da CBN, por questão de soberania - ao menos de economia - é recomendável que o povo abandone pouco a pouco o Ruindow$.

Favor apresentar solução para este ouvinte e também disponibilizar o roteiro para todos os outros, usuários de LINUX.

Grato!



CBN à parte, e voltando ao tema da postagem, o que mais tenho questionado é se não haverá um “boom” no preço dos imóveis.

Se houver, quem hoje tem condição de comprar financiado se arrependerá.
Se não houver valorização dos imóveis muito maior do que a inflação, não haverá este arrependimento.

Alguns economistas dizem que será multiplicado, em pouco tempo, o número de pessoas com condições de comprar imóveis (gente com carteira assinada, salários maiores, etc). A pressão de demanda faria o preço dos imóveis aumentar.

Infelizmente, não tenho de pronto o artigo que indica esta tendência para disponibilizar aqui.

“Boom” no preço dos imóveis ocorreu na Espanha, em algumas áreas do Rio de Janeiro e acontece em muitos pontos do planeta.

Por outro lado, não há indicador de que esteja ocorrendo, de forma generalizada.
Percebemos que o ritmo de ocupação dos novos empreendimentos nem sempre é dos mais animadores, o que sugere estabilização dos preços.

Se tomarmos ainda como analogia o que aconteceu em 2007 com os automóveis usados, mais um alento: perceberemos que houve aumento de 50% nas vendas, em relação ao ano anterior, mas sem grande oscilação nos preços!

Tenho apenas o dado, se encontrar o “link” da matéria, coloco aqui.

Moral da história: complexa matéria!

Há quem adote "solução alternativa" - a cohabitação (morar com pais, amigos, etc).
Haverá quem diga que isto é exploração. Tema polêmico.

Mas ainda que você não seja o explorador, exploração sempre haverá:
- o locador explora, de certa forma, o locatário;
- o banqueiro explora, realmente, o tomador;

Nenhum comentário: